Uma puta selvagem louca por prazer

Cheguei do trabalho, vi meu marido no sofá, apenas de cueca, assistindo TV. Eu passei, não falei uma palavra, mas senti ele me olhar.

Fui direto para o quarto (meus pensamentos no dia eram os mais sórdidos possíveis).
Eu queria devorar meu marido. Eu estava com um tesão, que, PORRA!

Fazia quatro dias que a gente não transava, mas as últimas vezes foram tão monótonas, que era como se houvesse uma eternidade sem uma boa trepada.

E expecionalmemte hoje eu queria muito comer aquele homem gostoso pra caralho que eu tinha em casa, e por conta de tanto trabalho eu as vezes nem me dava conta disso.

Fui pro banheiro, tomei aquele banho, taquei o Prestobarba no box, deixa a “sapequinha” toda lisinha.

Fui pro quarto, peguei meu Aimé (perfume erótico com fragrância de feromônio) e falei pra mim mesma: ” hoje eu vou lambuzar minha cara toda naquele pau”.

Por incrível que pareça, não usei lingerie, peguei uma blusa branca dele (eu fico muito sexy com elas) e fui pra sala.

Ele estava lá, todo largado.

Cheguei, sentei no seu colo, comecei a beijar ele como se nunca tivesse beijado na vida. Eu queria devorá-lo e era o que eu iria fazer.

Eu fui descendo por cada canto daquele corpo masculo, malhado, moreno, delicioso. Eu não via a hora de chegar onde eu queria.

Ele tentava falar, mas eu não deixava. Ele simplesmente ficou na posição que estava, estagnado, me olhando devorá-lo como se estivesse matando minha fome.

Eu desci, segurei seu pau, na base, bem firme com uma das mãos, e pressionei devagar e fui deslizando pra cima, com meus dedos entrelaçados naquele pau enorme e grosso. “Ah, que delícia de cacete.”

Ele já estava quase implorando para que eu colocasse minha boca e foi quando eu engoli aquele cacete, eu chupava aquele pau como se fosse a coisa mais gostosa que eu já havia colocado na boca, eu sugava, deixava todo melado (daquele jeito que a boca desce até o ápice e a gnt tira todo melecado, e aproveita pra massagear com as mãos) EU fiz com as duas mãos.

Ele? Ele gemia e pedia pra eu não parar, eu parecia uma leoa faminta devorando a presa.
Eu sugava tanto aquele pau gostoso que ele se transformou num pedaço de pedra em minhas mãos.

Quando ele não suportou mais, ele me agarrou pela cintura, me virou de costas, me jogou de joelho no carpete da sala e bombou minha buceta molhada com muita força, as estocadas pareciam me levar ao céu, eu sentia minhas pernas trêmulas, eu gritava de tanto prazer. Eu pedia mais e ele atendia, segurava meus cabelos e falava:

“Pega, minha puta, toma o que você quer”.

Mais algumas estocadas e eu ouvi ele gritar loucamente de tanto prazer, ele gozou de uma forma que eu nunca o vi gozar.

Eu me transformei aquele dia em uma puta, uma puta selvagem louca por prazer.

No outro dia, no trabalho, flores e um cartão:
“Me devore hoje, amanhã, me devore todos os dias de nossas vidas.”…

Gostou do conto? deixe-nos saber com um comentário.
E se quiser nos enviar o seu conto faça por aqui: Enviar Conto.
Siga-nos nas nossas redes sociais clicando aqui: Redes Sociais.

Um comentário

Deixe um Comentário. (Proibido divulgar Whatsapp ou emails)

Seu endereço de e-mail nao será publicado.Campos obrigatórios são marcados *

*

Contos Eróticos - Contos reais, Contos Hetero, Contos Gay, Contos Traição, Contos Incestos, Contos Fetiches, Contos Sexo anal

error: Conteúdo esta protegido !!