Primeira orgia nunca imaginei que faria tanta coisa

Eu e minha esposa de uns tempos pra cá tivemos algumas conversas sobre sexo com outras pessoas. Começamos falando de transas nossas antes de iniciarmos nosso namoro, antes de casados. Transas com ficantes e antigos namorados. Então minha esposa me contou que teve uns lances bi-sexual, que teve uma fase durante a faculdade que resolveu experimentar beijar na boca de meninas e chupar buceta. A gente tinha esses papos pra se excitar e depois transava feito loucos, mas nesse dia em especial eu fiquei muito excitado e disse à ela:

– ‘Eu amaria ver você peladinha se pegando com outra, beijando na boca e chupando buceta.’

– ‘Sério?’

– ‘Com certeza… meu pau até babou’ eu disse apalpando o volume sobre o short

– ‘Hummm… a gente pode procurar uma muher pra fazer um menagé então. Hoje em dia tem tanta menina bi por aí!’ ela disse

– ‘A gente pode procurar no Tinder!’ minha esposa sugeriu

– ‘Sério? Tem essa coragem?’

– ‘Com certeza, só voce nao pode comer ela, eu tenho ciúmes’

Nossa… aquilo foi demais, eu topava qualquer coisa. Estávamos no sofá da sala, começamos a nos beijar e logo estávamos pelados fodendo como dois animais no cio. Patricia gozou rapidinho de bruços sobre o braço do sofá comigo socando na buceta dela por trás e brincando com um dedo no cuzinho dela. Então tirei meu pau da buceta gozada e mandei ela virar e chupar o pau melado de suco de buceta. Patricia é chupadeira, e não fez cerimônia… abocanhou meu caralho e mamou como uma boa putinha e em poucos minutos eu explodia jatos de porra na boca da minha esposa.

Do sofá fomos pro quarto. Patricia de jogou na cama de pernas abertas e me chamou com o dedinho. Caí de boca naquela buceta morena e chupei até ela gozar gritando. Nesse tempo meu pau ficou duro de novo, Patricia veio por cima e cavalgou o meu pau, com seus peitos grandes balançando. Quando o gozo se aproximou joguei ela na cama e fui pra cima num papai-mamãe. Meu pau entrava e saía da buceta dela na velocidade da luz, até que minhas bolas se encolheram no saco e eu tirei o pau e punhetei e joguei dois jatos de porra em cima da barriga dela e meti o pau de volta na buceta. Soltei meu peso sobre o corpo dela e ficamos respirando pesado os dois juntos.

Depois desse dia começamos a olhar pra outras mulheres por onde íamos e comentar sobre a bunda de uma ou os peitos de outra. Como a buceta ficava marcada no short ou na calça legging de alguma mulher ou a beleza do rosto de alguma amiga dela. As vezes eu levava um beliscão por exagerar nos comentários gerando ciúmes pra minha esposa, mas tudo acabava em risos e excitação pra nós dois. Mas nada de darmos o passo seguinte e arrumar uma mulher pra transar com Patricia.

Um final de semana fomos em uma festa na chacara de um amigo nosso, era tipo um lual com fogueira. Bebemos bastante e estávamos animados com a galera da festa, Patricia estava soltinha. La pelas tantas encontramos uma prima de uma amiga da Patricia, uma loirinha baixinha, bunduda e peitudinha, eu achei ela atraente, era muito bonita de rosto e comentei com a Patricia:

– ‘Bonita essa menina… como é o nome dela? Juliana?’

– ‘É sim amor, eu tambem achei ela bem gostosinha. Eu pegava ela fácil!’

Patricia colocou uma mão na boca como se arrependesse do comentário, mas eu sabia que era só cena. Comecei a rir e ela riu muito tambem. Eu já estava bebado e meio sem noção do perigo, fui lá onde a Juliana estava e falei pra ela o comentário da minha esposa. Juliana deu um sorrisinho maroto pra mim mas não falou nada. Eu voltei e contei pra Patricia e ela ficou vermelha, meio sem jeito, as duas se olharam de longe e a Juliana piscou pra ela, mas Patricia escondeu a cara e se afastou. Continuamos curtindo a festa, bebendo e conversando até que a Juliana chegou em mim e fez eu me abaixar um pouco pra falar no meu ouvido:

– ‘Se a Patricia quiser… eu topo!’

– ‘Sério?’ eu disse surpreso

– ‘Sim… só que meu namorado tem que ir tambem!’

– ‘Nós quatro?’ eu perguntei mais surpreso ainda

– ‘Sim… o que foi? Nunca fizeram?’ agora era a Juliana que estava surpresa

Eu não tive tempo de responder, Patricia chegou do meu lado dando um beliscão na minha costela, perguntando meio brava o que eu estava cochichando com a garota. Eu então expliquei pra ela a proposta, minha esposa pensou por um instante e disse:

– ‘Quando ela quer?’

Juliana estava do meu lado, eu estava com uma de cada lado de mim, é claro que Juliana ouviu e respondeu:

– ‘Agora!’

Eu olhei pra Juliana, olhei pra Patricia, as duas se olharam… Vamos? Todo mundo concordou com a cabeça, Juliana foi buscar o namorado dela e encontrou a gente no nosso carrro. E dalí fomos para um motel na beira da Rodovia. No caminho ninguem dizia nada, só risinhos e olhares nervosos. Qaundo entramos no quarto, tiramos nossos calçados e sentamos os quatro na cama. Aí ficamos lá os quatro parados um olhando pra cara do outro, esperando que alguem tome a inciativa. Aí a Juliana resolveu quebrar o gelo, se aproximou da minha esposa ficaram frente a frente ajoelhadas na cama e Juliana passou a mão pelo rosto da Patricia, brincou com uma mecha do cabelo dela e beijou a boca da minha esposa.

As duas começaram com um beijo lento e logo avançaram para um beijo tórrido de lingua, com as mãos apertando a bunda uma da outra. O namorado da Juliana, tirou o camiseta e começou a soltar a calça, ele olhou pra mim e, eu entendi, comecei a fazer o mesmo. Enquanto as duas mulheres uma tirava a camisa da outra e esfregavam seus peitos sem nunca parar de beijar na boca. Rodrigo(namorado da Juliana) tirou a cueca e seu pau saltou duro pra fora apontando para o teto. Jamais pensei em dizer isso, mas achei um pau bonito, uns 17cm rosado, grossinho cheio de veias salientes. As meninas pararam de se beijar e olharam pra ele, em seguida olharam pra mim, eu entendi que era hora de tirar a cueca tambem. Eu estava nervoso, apesar da excitação, meu pau estava meia-bomba ainda, me senti meio envergonhado por isso e, ai é que o pau nao evoluiu mesmo.

– ‘Amor, olha o pau dele… ainda tá mole. Faz ele ficar duro pra gente ver?’ a Juliana falou

Nesse momento eu gelei, mas não falei nada, estava muito surpreso. Rodrigo pegou no meu pau e começou uma punheta leve, eu fiquei de joelhos, ele estava recostado na cabeceira da cama, com uma mão punhetava o pau dele e com a outra o meu. Em segundos meu pau já estava em ponto de bala, muito duro, a cabeçona brilhando. Nunca imaginei que eu fosse me excitar com outro homem me masturbando. As garotas pareciam estar gostando de ver, Juliana chupava os peitos de minha esposa e Patricia não tirava os olhos de mim, meu pau começou a babar. Patricia beijou a boca da Juliana, e olhando pra mim disse:

– ‘Bate pra ele também gato, tô adorando isso, quero ver vocês dois batendo um pro outro’.

Eu estava tremendamente excitado, e confesso que aquele pau rosado estava me atraindo. Imediatamente atendi o pedido da minha esposa e peguei o pau do Rodrgio em minha mão e comecei a punhetar. Nesse momento a Juliana empurrou a minha esposa na cama e puxou as calças e a calcinha dela, logo se livrou das suas roupas tambem e caiu sobre minha esposa beijando sua boca e chupando os seus seios, enquanto as maõs delas duas procuravam a buceta uma da outra masturbando e fodendo com seus dedos longos.

Ficamos eu e Rodrigo ali do lado, vendo nossas mulheres se pegando, um segurando o pau duro do outro na mão. O tesão a mil. Rodrigo largou meu pau e se virou pro lado das garotas, ajoelhou do lado do rosto delas e enfiou o seu pau rosado na boca da minha esposa. Patricia é uma exímia chupadeira de pika e imediatamente arrancou gemidos do cara, ele fez uma expressão de prazer incrível com a mamada da minha esposa.

Juliana passou a mamar os peitos da Patricia e quando escorregou sobre o seu corpo descendo até a buceta da minha esposa, eu peguei uma camisinha do lado da cama. Quando eu ia rasgar o pacote, Rodrigo percebendo o que eu ia fazer falou:

– ‘Não precisa… mete no pêlo, ela toma comprimido!’

Joguei a camisinha de volta fui pra trás da Juliana. Olhei bem pra aquele rabão branquinho empinado, porra a menina é rabuda mesmo eu pensei, peguei com uma mão de cada lado e abri o rego dela, a garota empinou um pouco sem tirar a boca da buceta da minha esposa. Eu olhei bem pro cuzinho rosado piscando pra mim, olhei pra buceta rosadinha, escorrendo um suquinho, encaixei minha pika no furo de baixo e, empurrei o meu pau que deslizou até a metade. A garota jogou a cabeça pra trás com um gemido longo e, eu firmei o quadril dela e empurrei o resto.

– ‘Hummm… tesão! Gostoso!’ ela falou

E Juliana voltou a chupar a buceta da minha esposa. Eu comecei os movimentos, metendo e tirando meu pau naquela buceta cor de rosa. Puxando as bandas da bunda dela pra ver o cuzinho piscando e meu pau saia inteiro pra enterrar de novo. Eu não tenho um pau grande, são 16cm, mas é bem grosso, cabeçudo, escuro cheio de veias com a cabeça roxa. Meu pau preenche bem uma buceta, e quando é no cu, faz as mulheres ver estrela pela sua grossura, principalmente da cabeça. Juliana gemia gostoso na minha pika, Rodrigo gemia gostoso na mamada da Patricia e Patricia por sua vez gemia abafado com a buceta sendo chupada e a boca cheia de pika.

Cara o tesão estava muito forte no ar, a visão que eu tinha do todo da cena era muito tesuda, não consegui segurar por muito tempo e acelerei os movimentos, empurrei a cabeça do dedão no cu da Juliana e comecei a gozar na buceta dela. Enchi a xana dela de porra e tirei meu pau de dentro dela, imediatamente Juliana parou de chupar a Patricia e gritou pro namorado:

– ‘Deita aí… deita costas, vai!’

Ele tirou o pau da boca da minha epsosa e obedeceu, deitando de costas ficando com o pau duro apontando pra cima como uma estaca. Eu achei que ela ia sentar no pau dele e cavalgar com sua buceta fudida no pau do namorado. Mas ela colocou uma mão no meio das pernas para impedir que a minha porra escorresse para fora e num movimento agil, sentou com a buceta na cara dele. Tirou a mão e a porra começou a escorrer na boca do namorado.

– ‘Chupa cachorro… chupa a porra da minha buceta!

– ‘Chupa tudinho… me faz gozar cachorro!’

Rodrigo enfiou a lingua fundo na buceta da namorada e começou a sorver a minha porra de dentro dela, Juliana gemia e gritava ‘Há…há…há…asim… chupa, chupa, vai’ e esfregava a xana na boca dele sufocando o pobre. Minha esposa vendo isso ficou louca. Rapidamente pulou sobre o corpo do Rodrigo e encaixou a buceta no pau duro dele. De frente pra Juliana, Patricia começou a cavalgar na pika enquanto apertava os próprios seios. Juliana percebeu o tesão de minha epsosa e se inclinou pra frente e se pos a mamar os peitos de Patricia, enquanto esfregava a buceta na cara do namorado. Foi meia-duzia de quickadas no pau do Rodrigo e ele avisou que ia gozar.

Patricia tentou sair de cima mas ele ja estava gozando dentro… E que esporrada, eu nunca tinha visto algo assim… voou porra pra tudo quanto é lado. Nunca ví uns jatos de porra tão forte. Voou nos peitos da Patricia, na barriga da Juliana e sobrou até pra mim, vôou um pouco até no meu braço. Eu percebi que minha esposa ficou um pouco chateada por ele ter gozado tão rápido, mas ela estava tão excitada que começou a chupar o pau do Rodrigo e limpar aquela porra toda com a boca.

Aquilo foi incrivel, o pau dele praticamente não amoleceu, em instantes ele estava duraço novamente. Patricia ficou de quatro e mandou ele meter. Rodrigo encaixou a pika no rabo dela e meteu na buceta da minha esposa como se não existisse amanhã. Fodeu com tanta força e rapidez, Patricia estava com tanto tesão que foi rapidinho pra ela gritar que estava gozando e cair com o rosto na cama, com a bunda empinada, levando socada na buceta, os barulhos do quadril dele se chocando na bunda dela, uma loucura.

Patricia estava alucinada e quando Rodrigo tirou o pau rosado da buceta, ela se virou e começou a mamar o pau dele. Juliana batia uma siririca e meu pau estava subindo de novo. Patricia mamou por uns bons 5 minutos até Rodrigo gozar na sua boca. ela engoliu um bom tanto, mas o cara tinha muita porra no saco. Ela mamava e a porra escorria pelos cantos da boca, quando terminou minha esposa estava com porra pingando pelo queixo. Juliana vendo a cena, veio e começou a lamber o queixo e os lábios da minha esposa. Em seguida as duas se beijaram e dividiram o que havia de porra.

Restava eu de pau duro… olhando aquela suruba toda, me masturbando. Juliana então disse ao namorado:

– ‘Tem alguem que ainda precisa gozar’ e riu olhando pra mim

– ‘Hááá… coitado do meu amore…’ Patricia fez carinha pra mim

– ‘Deixa que o Rodrigo vai dar um jeito!’ a Julina disse e completou:

– ‘Vai lá Rodrigo… chupa ele… ele merece mais uma gozada!’

Puta que o pariu… Por essa eu não esperava. Rodrigo olhou pra namorada, com uma cara tipo que perguntando ‘tem certeza?’ e ela fez que sim com a cabeça, tipo quem diz ‘vai lá’. Rodrigo se aproximou, pegou no meu pau, punhetou de leve, olhou bem e se abaixou sobre o meu colo. Começou uma mamada meio sem jeito, chupando a cabeçona, mal cabia na boca, porque meu pau é grosso. Mas logo ele se empolgou, pegou o jeito e começou a mamar gostoso, engolindo todo, fodendo meu pau com a boca. As garotas apreciavam a cena se beijando e se chupando os peitos, tudo era muito excitante e eu não durei muito. Logo eu explodi o meu gozo na boca dele, e não tem como eu medir, mas confesso que eu acho que jorrei mais porra nessa segunda gozada do que na primeira.

Rodrigo engasgou um pouco, e tirou a boca segurando só a cabeça entre os lábios, eu fiquei jorrando e ele engolindo o que podia e a porra escorrendo pelos cantos da boca. Quando terminei ele tinha porra pela boca toda e porra escorria pelo meu pau tambem. Juliana chamou o namorado.

– ‘Vem cá amor!’

Ele foi até ela, e ela beijou e lambeu sua boca e, ofereu a minha esposa. Patricia beijou a boca de Rodrigo e depois a boca da Juliana. E os tres ficaram revezando beijos entre eles até não haver resquicios da minha porra na boca de nenhum deles. Então Juliana veio e se abaixou no meu pau, sugou a porra que restava nele e, após deixar limpo, me beijou na boca empurrando com sua lingua toda a minha porra que havia coletado. Eu fiz cara feia, mas ela quebrando o beijo falou:

– ‘shhh… engole tudinho’

E colocou sua mão em frente a minha boca. Eu engoli e mostrei a lingua pra ela, minha esposa começou a gargalhar e todos começamos a rir. Todos fodidos, todos gozados, ficamos um pouco na cama os quatro conversando e nos vestimos assim mesmo sem tomar banho e fomos levar nossos novos amigos até o carro deles, combinando quando seria a próxima orgia.

Conto enviado por:  Anonimo (Obrigado)

Gostou do conto? Deixe-nos saber com um comentário.
E se quiser nos enviar o seu conto faça por aqui: Enviar Conto.
Entre no nosso grupo e siga-nos nas nossas redes sociais clicando aqui: Redes Sociais.

Deixe um Comentário. (Proibido divulgar Whatsapp ou emails)

Seu endereço de e-mail nao será publicado.Campos obrigatórios são marcados *

*

Contos Eróticos - Contos reais, Contos Hetero, Contos Gay, Contos Traição, Contos Incestos, Contos Fetiches, Contos Sexo anal

error: Conteúdo esta protegido !!