As vezes a cilada esta no olhar

Estava passando por uma fase complicada financeiramente falando e precisava me virar pra por as contas em dias, pois aluguel, alimentação e escola dos filhos estavam deixando o nosso relacionamento muito complicado devido a falta de dinheiro.
Sou massoterapeuta formada a 6 anos, tenho 40 anos de idade, magra, 1,68 de altura, cabelos longos e cacheados, morena.
Sempre trabalhei com a parte administrativa de uma loja no centro da cidade, mas esporadicamente fazia alguns atendimentos de pós operatório em cirurgia plástica para compor a renda.
Meu esposo trabalha com logística, e ele é meio irresponsável com relação aos gastos excessivos. Sempre gostou de beber e jogar bola nas horas vagas e com isso gasta mais do que deve, as contas chegam e tenho que rebolar pra dar conta de honrar com tudo.
Fora isso nossa vida é tranquila, conversamos muito, nossos 3 filhos sempre tiveram ótimas referências em educação, pois priorizamos a saúde emocional deles, então esses problemas financeiros sempre discuto no quarto depois que as crianças pegam no sono.
Já estamos juntos a 20 anos e mesmo meus esposo sendo 5 anos mais velho que Eu, me sinto mãe Dele nesse quesito.
Enfim, um certo dia brigamos pelos mesmos motivos e resolvi fazer uns cartões e entregar para conhecidos pra poder fazer massagem relaxante, procedimentos que não precisasse me prender ao paciente por muito tempo.
Lembro que entreguei um total de 28 cartões e desses 3 pessoas chegaram a agendar sessões.
Tinha meu espaço num quarto aos fundos da minha casa, mas decidir atender a domicílio pra evitar o barulho das crianças atrapalhar os atendimentos.
Desses três que atendi tive ótimas indicações e numa dessas me chegou um contato sem foto, falou que tinha interesse na massagem relaxante e que tinha sido indicado por uma amiga que tínhamos em comum.
Marquei o dia e hora e fui ao encontro desse cliente que até então só sabia o nome de Caio.
Sempre levava minha maca portátil e tinha meus óleos e adereços pra proporcionar um momento de total relaxamento e conforto aos meus pacientes.
Chegando no local indicado vi que era um prédio de 4 andares e o Caio morava no quarto andar, pra minha infelicidade o prédio antigo não tinha elevador.
Subi os degraus com muita dificuldade e como tinha avisado da minha chegada o Caio já estava aguardando na porta. Cheguei no andar dele super ofegante e exausta, ele vendo meu esforço se apressou a me ajudar a carregar a maca.
Entramos e ele afastou o sofá e já posicionou a maçã pra que pudesse montar e iniciar o atendimento.
Como estava muito ofegante e morrendo de calor, pedi um copo com água ao Caio e comecei a organizar as coisas pro atendimento.
Nesse curto espaço de tempo meu celular tocou, meu esposo do outro lado:
– Onde vc está que ainda não chegou, preciso ir encontrar a galera do jogo, vc tem que vir ficar com as crianças…
Eu não podia brigar na frente do cliente, só avisei que tinha atendimento e que infelizmente ele não poderia ir ao jogo naquele dia.
Pra minha surpresa o meu esposo ficou mega irritado e desligou na minha cara
Respirei fundo e tentei disfarçar minha irritação.
Tomei a água, e comecei a fazer a anamnese que faço antes do procedimento.
O Caio muito simpático e de energia leve, me disse que buscou a massagem porque estava tendo muitos problemas estressantes no trabalho e que até dificuldade para dormir estava tendo.
Ele era um rapaz muito simpático e sorridente, disse que tinha chegado a cidade a pouco tempo por motivo de promoção no trabalho mas que a sobrecarga estava trazendo muitos problemas com estresse, e que o cunhado Dele que trabalha junto comigo tinha ouvido falar do meu trabalho e indicou para Ele.
Pensei, então foi assim que ele me encontrou!
Anamnese finalizada coloquei meu jaleco de atendimento, amarrei meu coque e fui tomar um último gole d’água pra iniciar a massagem.
Nem sei explicar como acabei derramando a água no meu jaleco e molhei ele ao ponto de me incomodar com o tecido colando molhado em minha pele.
Pedi desculpas pelo mau jeito e falei com o Caio que iria atendê-lo sem o jaleco, ele disse não se importar e enquanto tirava o jaleco virei de costas e pedi pra ele tirar a roupa, ficar só de cuecas e já deitar na maca.
Quando me virei ele estava terminando de tirar a bermuda, deixando aparente a cueca box branca.
Foi inevitável não olhar o conjunto perfeito que era o cabelo cacheadinho mal penteado, com um peitoral marcado pela musculação, bem distribuído de músculos em mais ou menos 1,90 de altura. Minha boca até secou quando apreciei todo aquele aglomerado de beleza. Mas como profissional, recriminei meus pensamentos e ele já deitado na maca de costas exposta, dei início a massagem começando pelos pés. Coloquei uma música ambiente e exagerei no óleo para que minhas mãos deslizassem na pele dele de forma que o ritmo e as manobras o fizesse ir a outra dimensão de relaxamento.
Quando subi para as panturrilhas ouvi um gemido abafado mais satisfatório, daqueles que expressam que vc está no caminho certo.
A medida que ia subindo com as mãos e antebraços nas manobras de massagens, ele gemia tão intenso que me fazia arrepiar por dentro, e tentava até evitar de aproximar muito o seu corpo ao meu, pois estava ficando mais ofegante do que na hora que subi as escadas.
Cheguei nas costas dos Caio e minhas mãos ficaram minúsculas pra extensão daquele membro, Eu pegava com tanto gosto que acho até que ele percebeu.
Finalizei as costas e massageia a nuca Dele, e nesse momento ele ficou no mais absoluto silêncio, acreditei ter conseguido adormecê-lo, porém precisava fazer a massagem na parte da frente de seu corpo e com a voz calma e sutil aproximei de seu ouvido e perguntei se ele queria virar de frente.
Ele não falou nada, apenas consentiu com a cabeça e com um suspiro profundo foi virando aos poucos.
Posicionei uma toalha em seus olhos e comecei pelos pés novamente. E pra minha surpresa ele não gemeu, calou-se e continuei com meu trabalho.
Quando cheguei na região das coxas Dele, vi que ele elevou as mãos para região pélvica, tentando cobrir sua virilha, o que já estou habituada, pois em muitos casos a excitação durante a massagem é algo normal de contecer.
Porém quanto mais deslizava as mãos mais via aumentar o volume em suas mãos e ele tentando cobrir.
Falei:
– Fique tranquilo, isso é normal de acontecer, então não se preocupe, só curta seu momento.
Ele assentiu com a cabeça e deu um sorrisinho de canto de boca, tirando as mãos de cima da sua região genutal. Gzuis que membro era aquele? Se o homem era grande seu membro íntimo era proporcionalmente enorme, cabeçudo e vivo, pois mesmo contido pela cueca branca, suas veias pulsavam e mostrava que ele estava a todo vigor.
Engoli seco e salvei como nunca salvei na vida, voltei a ficar ofegante e ele percebeu, pedindo desculpas falou que não conseguiu controlar seu amiguinho pois os meus toques estavam elevando seu nível de excitação de uma forma incontrolável.
Me afastei um pouco e fui buscar uma toalha pra cobrir suas genitais e falei que tentaria não estimula-lo mais.
Ele tirou a toalha dos olhos, deu mais um sorriso de canto de boca e disse:
РPra mim foi a melhor parte de sua massagem, por favor ṇo pare.
Mordi meus lábios e tentei disfarçar minha satisfação, porque em minha cabeça já tinha me imaginado tocando naquele membro de todas as formas possíveis com meu corpo, minha boca, salivava de desejo e ao mesmo tempo minha cabeça me condenava por ser casada e ser profissional.
Pedi um tempo pra tomar mais água e quando peguei no copo senti um calor em minhas costas, era Ele,
O Caio que tinha levantado e na tentativa de me envolver com sua excitação falou em meu pescoço que não era a água que iria saciar a minha sede.
Eu estremeci, minhas pernas faltaram chão, então tentei disfarçar meu desconforto mas minha respiração ofegante entregou que eu estava num nível de excitação que nunca tinha experimentado.
Ele pegou em minha mão e me virou de frente pra ele, e eu que só conseguia olhar na direção do seu tronco pois estava totalmente perdida e confusa. Caio pegou em meu maxilar e erguendo meu rosto perguntou se poderia realizar o desejo que Ele estava sentindo naquele instante. Eu acho que fiquei muda por uns segundos e só assenti com a cabeça dando-lhe a permissão que ele precisava.
Foi meu fim, porque ele pegou minhas mãos e colocando as pra trás me rendeu com um beijo que me deixou totalmente extasiada, que beijo foi aquele, mordia meus lábios de forma firme e devorava meus lábios como se estivesse se lambuzando com a mais saborosa fruta que existe.
Quando ele parou seu beijo eu tentei falar e ele só sorriu e me falou, só se permita, pois vou te fazer sentir o tamanho do desejo que Você despertou em mim hoje.
Sério, não tive como resistir, eu transpirava desejo, minha respiração chamava por ele e me entreguei.
A roupa que usava era uma blusa rosa bebê de seda lisa, minha calça preta alfaiataria de corte reto escondia as curvas lineares do meu corpo que Caio descobriu com movimentos sutis, tirando cada uma das peças me hipnotizando com aquele olhar e sorriso covarde de homem faminto. Minha lingerie rosinha ficava amostra e o fez admirar como se tivesse encontrado um tesouro escondido.
Caio me pegou em seus braços e falou que a massagem agora seria feita por ele, mas que assim como Eu teria vendado ele, assim ele o faria comigo. E Eu?
Eu só assenti a com a cabeça.
Naquele momento Eu nem me reconhecia, a química sexual entre nós dois era tão intensa que até a nossa respiração estava sincronizada.
Caio se mostrou um alfa dominante e Eu que sempre preferi ter o controle da relação quando se tratava de sexo, me vi totalmente entregue e submissa aos comandos daquele homem.
Assim que me colocou sentada no sofá, caio trouxe a toalha que usava pra cobrir suas genitais e amarrou cobrindo meus olhos, perguntou se me importaria de sentir mais que ver e Eu prontamente respondi que não.
Eu não sabia que estava dando a carta branca pra Ele fazer Eu ter uma experiência inesquecível como a que tive.
Caio pediu pra que eu colocasse minhas mãos sobre o sofá e as mantivesse aberta e que sempre que Ele fizesse algo que Eu não estivesse de acordo bastaria virar a mão que Ele pararia imediatamente, mas uma vez assenti com a cabeça concordando.
Por alguns instantes o Caio desapareceu e me peguei voltando a consciência do que Eu estava prestes a fazer, e comecei a recobrar a razão de que aquilo não era algo certo a se fazer, porém antes de reagir e cessar com aquele momento, o Caio voltou e sussurrou em meu ouvido que as regras do jogo seriam respeitadas e que tudo aquilo que iria acontecer não sairia daquele lugar, que esse seria nosso segredinho.
Como já tinha permitido o inicio daquela situação a culpa seria a mesma ou seria maior se não tivesse concluído toda aquela loucura.
Caio trouxe uma espécie de sinto, não entendia muito bem, pois continuava vendada, mas eram umas sintas que conseguiam prender minhas mãos e meus pés simultaneamente, porém não limitava meus movimentos, apenas interligava todos estes membros do meu corpo.
Muito cuidadoso, ao me amarrar sempre perguntava se estava machucando ou desconfortável… E Eu???
Tava em outro mundo, porque casada a tanto tempo, o sexo já tinha saído de prazeroso pra obrigação conjugal, e por muitas vezes não sentia mais o mesmo prazer de quando comecei a namorar meu esposo. Então aquela experiência pra mim estava sendo o despertar do meu lado sensual, ludibriada de prazer e curiosidade Eu não me permitia negar o prazer que meu corpo estava gritando pra sentir.
Ouvi o barulho da geladeira abrir, perguntei:
-Já deu sede Sr mistério?
Ele respondeu:
– Não, mas queria que os sons que saíssem da sua boca a partir de agora limitasse-se apenas a gemidos e sussurros de prazer, que é pra isso que estou aqui, pra te fazer sentir uma experiência nova e inesquecível.
Eu sorri e mais uma vez como uma cadelinha domada, consenti com a cabeça.
A surpresa de um beijo específico em meu interno de coxas arrancou suspiro profundo em mim e um misto de prazer e excitação me fez endurecer o bico dos meus seios ao ponto de incomodar com o roçar do sutiã.
Desobedecendo a orientação do meu misterioso preferido, perguntei se poderia pedir algo a Ele, Ele disse que dessa me permitiria falar. E pra surpresa Dele, pedi que tirasse meu sutiã, Ele deu uma risadinha safada da qual me deixou ainda mais ouriçada e respondeu em meu cangote, seu desejo é uma ordem.
Mas tirar uma peça tão ousada não seria algo simples pra aquele demônio do prazer.
Ele conseguiu me instigar ainda mais quando tirou cada alça do sutiã com os dentes e antes de abrir o feche na parte de trás, passava sua língua molhada e quente no contorno dos meus seios conseguindo molhar ainda mais minha calcinha e me fazer gemer como a muito tempo não gemia.
Ao me virar de costas, abriu o feche do meu sutiã e me beijando de cima até embaixo, percorreu toda a linha da minha coluna, me fazendo arrepiar e suspirar prazerosamente.
Ouvi algo cair e era o Caio derrubando algumas almofadas no chão e em seguida me conduzindo a ajoelhar sobre elas, de frente pra Ele que já estava sentado no sofá a minha frente.
Ainda amarrada, semi despida ele começou a a espalhar o meu óleo em meu corpo, contornando meus seios e com suas mãos grandes e firmes ele espalhava e apertava os mamilos com força, a sensação que Eu tinha se misturava a prazer e dor e isso estava me deixando louca.
Por uma fração de segundos ele soltou meus mamilos e encostou algo firme porém muito gelado no biquinho dos meus seios… o que era aquilo, minha cabeça buscava resposta pra entender o que ele estava fazendo, mas meu corpo se envolvia em excitação e me rendia ao que tava sentindo.
E quando achava que tinha sentido de tudo já, o Caio me surpreendia com lambidas molhadas e sugava meus seios como um bebê faminto.
Como poderia sentir isso e não gemer e não urrar de prazer… Eu já não me aguentava mais de excitação, minha calcinha molhava e sentia minha região sexual piscar. Que diabos esse homem tem que tá me deixando louca desse jeito?????
Pra meu desespero Ele foi além, se aproximava de meus lábios e passava a língua molhada, me fazendo buscar como louca pela boca Dele, que desgraçado, como sabe brincar e me envolver desse jeito???
Caio deslizou aquele objeto duro e gelado entre meus seios e me fazendo contorcer de arrepios de frio e prazer, passeou com o objeto por cima da minha calcinha. Naquela altura do campeonato ele já tinha notado que tudo que Eu mais queria era me entregar pra Ele e satisfazer o desejo que estava me consumindo…
Muito astucioso, Caio levanta do sofá e comigo ainda de joelhos ele me faz debruçar com o tronco me apoiando no sofá, colocando de bumbum arrebitado e vulnerável pra Ele fazer uso dessa parte que pra mim era um tabu até aquele dia ..
Caio sabia o que estava fazendo, Ele soube tecer meu tesão, atiçar meus sentidos e me fazer implorar pra ser usada e abusada.
Ele pegou mais um pouco do óleo de massagem e espalhou pelas minhas costas, porém não usou apenas as mãos, ele se esfregava em mim, sussurrando em minha nuca e me estimulando a pedir pra parar. Como pediria pra parar se meu corpo tava implorando pra ser penetrado de uma forma que nunca imaginei existir???
O misterioso sedutor, me pegou de surpresa, quando começou a puxar a minha calcinha de ladinho, ele então derramou uma generosa quantidade de óleo por entre minhas nádegas e sentia aquele líquido escorrer, percorrendo meu ânus e molhando ainda mais meu sexo, que já estava pingando com todo aquele fluido excitação.
Suas mãos então iniciaram um vai e vem delicioso, que espalhava o oleo e ao mesmo tempo me penetrava me fazendo gemer descontroladamente.
O que era aquilo, que tesão é esse?? Como Eu nunca senti essa sensação antes, como vivi até hoje sem provar esse êxtase??
Eu pensava, enquanto ele segurava firme pelos meus cabelos e sussurrava em meu ouvido o quanto Eu estava gemendo gostoso.
E quando Eu pensei que já tinha sentido tudo que poderia sentir naquela noite, aquele objeto duro e gelado entrou literalmente em cena novamente… Caio o introduziu em meu sexo, que naquela altura já estava pulsando e implorando por seu toque… encharcada de tesão, ele começou a pincelar e enfiar numa sincronia enlouquecedora, acho que nunca pedi tanto pra ser possuída como naquela noite.
Ele me vendo chegar no ponto certo que ele precisava pra concluir sua sessão de domínio, introduziu um de seus dedos longos e grossos em minha indefesa e ainda virgem cavidade anal. Vou confessar pra Vocês, nunca quis saber de relação anal, pois tinha muito medo da dor, mas se soubesse que a sensação era aquela, Eu teria virado a ativa do anal a muito mais tempo.
Caio sabia o que tava fazendo, aquele terreno pra ele era muito bem explorado, então ele soube elevar meu prazer pra que eu pedisse mais, sim, Eu pedi mais, eu implorei por mais, e ele? Ele se deliciava com meu desespero, ele se divertia me vendo enlouquecer nas mãos habilidosas Dele.
Mas muito bonzinho ele me deu mais, tirou o objeto que introduziu no meu sexo e o colocou bem devagar no meu rabinho quequeisooooooo braseeeeeeelllllllllllll
Que delícia gelada, dura, firme era aquela???
Gente eu gemia tão alto que acho que até os moradores do primeiro andar escutavam kkkkkk
Que safado, me fez gozar sem penetração
Que delírio foi aquele??? simmm Eu gozei só em sentir ele invadir meu meu rabinho que até então nunca tinha sido tocado. Eu gozei de esguichar meu melzinho na almofada que apoiava meus joelhos…
Meu torturador preferido susurrou em meu ouvido pra que Eu abrisse as pernas um pouco mais, e assim obedeci. Em seguida Ele encaixou sua cabeça entre minhas pernas se deitando no chão e me chupou, me sugou como um aspirador, me forçando a gemer ainda mais alto e mais uma vez eu gozei em sua boca. Sem perder tempo, ele me chupava e se deliciava com aquele líquido como se fosse o melhor néctar do mundo e o fato de não ver nada por estar vendada, me fazia viajar em seus sons e isso me deixava ainda mais envolvida naquele momento delicioso e inebriante de prazer.
Caio não me deixou toca-lo em nenhum momento.
Me limpou inteira ainda vendada, mas já sentada no sofá desfalecida de tanto prazer. Me desamarrou, tirou a venda dos meus olhos, e ainda vestida apenas de calcinha me beijou e me entregou uma toalha pra que pudesse tomar um banho.
Me recuperei um pouco, peguei a toalha e fui ao banheiro que ficava ao lado do corredor que dava acesso aos quartos do apartamento.
Tomei um banho rápido e não pude vestir a calcinha pois estava encharcada de gozo da minha excitação. Enquanto pensava no que tinha acabado de me acontecer, ensaiava na cabeça o que falar pro Caio depois de sair daquele banheiro.
Ao sair o encontrei sentado a minha espera, e antes que falasse alguma coisa , Ele me entregou as minhas roupas que tinham ficado jogadas no chão e me falou que foi a melhor massagem da vida Dele, com o mesmo sorrisinho safado e sedutor, Ele me disse que por estar muito estressado ultimamente, precisaria de mais algumas sessões da minha massagem.
Então caio me perguntou:
РVoc̻ pode vir fazer outras sess̵es comigo?
Aquele sorrisinho maldoso de canto de boca, não me deixou recusar sua proposta e mais uma vez a cachorrinha obediente, consentiu com a cabeça que sim.
Caio me ajudou a organizar minha maca e as coisas do meu atendimento e me falou que tinha meu contato, que iria me avisar o dia da próxima sessão.
Ele me ajudou a descer a maca, nos despedimos com olhares de cúmplices de um crime em que a refém deu total consentimento e fui embora com a sensação de mulher realizada.
Já fazem 9 dias que vivi está experiência, e a todo toque de mensagem em meu celular me pego ansiosa achando que é o Caio marcando sua nova sessão.

Conto enviado por: Emilly (Obrigado)
Gostou do conto? Deixe-nos saber com um comentário.
E se quiser nos enviar o seu conto faça por aqui: Enviar Conto.
Entre no nosso grupo e siga-nos nas nossas redes sociais clicando aqui: Redes Sociais.

Deixe um Comentário. (Proibido divulgar Whatsapp ou emails)

Seu endereço de e-mail nao será publicado.Campos obrigatórios são marcados *

*

Clique na imagem em baixo

Parceiros

Musica Portuguesa Filmes Portugueses Online Publicitar Aqui   Publicitar Aqui

Contos Eróticos - Contos reais, Contos Hetero, Contos Gay, Contos Traição, Contos Incestos, Contos Fetiches, Contos Sexo anal

error: Conteúdo esta protegido !!